Destaques

Obra de hospital parada gera alerta para os órgãos de fiscalização

Há um ano com as obras paradas do futuro Hospital Regional de Brasileia, a diretoria do Sindicato dos Médicos do Acre (Sindmed-AC) decidiu encaminhar um pedido de socorro ao Ministério Público Federal e Ministério Público Estadual, além de comunicar novamente o caso para a ouvidoria do Ministério da Saúde (MS). O motivo é a falta de estrutura atual capaz de atender todos os habitantes do Alto Acre.

Com a construção iniciada em 2013, o projeto do novo hospital previa gastos de R$ 50 milhões, sendo concluído em 2 de novembro de 2014, o que não ocorreu. Quatro anos depois, não é possível ver a movimentação de pedreiros ou qualquer outro funcionário da construtora no canteiro de obras.

Em várias visitas realizadas pelo Sindmed-AC ao local, em 2017, a obra parece estar longe da fase de conclusão.

“Nos vemos que 2017 foi um ano perdido, porque essa obra que deveria ter sido inaugurada, está atrasada há anos. É um desperdício de dinheiro público, porque se não funciona, não traz benefícios à população”, falou o presidente do Sindicato dos Médicos, Ribamar Costa.

Enquanto não há conclusão do futuro hospital, o atual, Raimundo Chaar, parece uma instalação dos tempos da Segunda Guerra Mundial devido as condições estruturais e a falta de equipamentos.

“O hospital está deteriorado em condições precárias de acomodação dos pacientes, estrutura do corpo de médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagens. Temos um hospital que precisa ser substituído por um novo. É uma tristeza para nós que trabalhamos na área da saúde ver uma situação como se encontra o Alto Acre”, contou o presidente.

O Sindmed-AC foi o autor de uma denúncia encaminhada ao Ministério Público Estadual que acabou sendo transformada em uma Ação Civil Pública, sendo o governo do Estado obrigado a garantir uma estrutura capaz de atender a população, mas os governantes recorreram e nunca cumpriram com a decisão judicial.