Artigos

O Dia Mundial da Saúde e o primeiro transplante de fígado no Acre*

P7310002No dia 07 de abril, comemoramos o Dia Mundial da Saúde. Nesta data, devemos fazer uma reflexão sobre a nossa própria saúde e oferecer propostas como cidadãos para que possamos sensibilizar os nossos governantes a aplicarem mais investimentos.

No dia 05 de abril, foi realizado no Hospital das Clínicas do Acre o primeiro transplante de fígado da Região Norte. O Dr. Tércio Genzini, a equipe dele e os profissionais do Estado, sob sua supervisão, estão todos de parabéns! Toda a comunidade médica acriana foi informada sobre este grandioso feito em um hospital do Estado. Sabemos do alto custo e da mega estrutura envolvida para a realização desse procedimento para salvar a vida de um ser humano. Desejamos que não seja apenas um evento sazonal, mas que possamos ter outros pacientes contemplados com procedimentos de alta complexidade e também tenhamos mais investimentos na área da prevenção, dando tratamento adequado e evitando a evolução da doença para um estado tão grave.

Quem reside em nossa região e possui familiares portadores de hepatites B ou C ou outras patologias mais graves que necessitem de procedimentos desse porte sabem das dificuldades que os familiares e pacientes enfrentam ao se deslocarem para os grandes centros médicos em São Paulo e em outros Estados, com estruturas hospitalares mais bem aparelhadas, onde o investimento em saúde é muito superior.

Com a necessidade do Tratamento Fora de Domicílio (TFD), os pacientes e os acompanhantes se deparam com barreiras de todas as ordens como o deslocamento por meio do sistema precário de transporte coletivo nas grandes cidades, sujeitos a serem assaltados, além de enfrentarem dificuldades na marcação das consultas e dos retornos após a realização de exames.

Não esqueçamos que o serviço social, mesmo em São Paulo, o Estado mais rico da Federação, deixa muito a desejar. Muitos pacientes ficam alojados em pensões, onde as pessoas com um pouco mais de dinheiro ajudam as outras, pagando um lanche, uma parte das diárias, dando uma carona e, também, ajudam acalmando e dando força para os que se encontram em situação mais desesperadora.

No Brasil, 75,6% da população depende do SUS e 24,4% tem planos de saúde. O gasto mensal com saúde de cada brasileiro é de R$ 72. São muitos pacientes para poucos recursos.

Para se obter mais verbas para a saúde, o projeto de lei de iniciativa popular Saúde Mais Dez, que conseguiu 2,2 milhões assinaturas, se encontra em tramitação no Congresso Nacional, necessitando do apoio dos nossos parlamentares para sua aprovação, ou seja,  o aumento do financiamento do SUS.

Além da necessidade de mais investimentos, precisamos eliminar o desperdício de dinheiro público dentro das unidades hospitalares por conta da má gestão, do desvio de dinheiro pela corrupção e também aperfeiçoar a punição aqueles que se aproveitam dos cargos públicos para se locupletarem, formando quadrilhas que tem assaltado por diversas vezes as verbas do SUS, como temos visto através dos noticiários, que mostraram a Máfia dos Vampiros, a Máfia das Ambulâncias, a Máfia das Licitações de Medicamentos Superfaturadas e tantas outras mais, em que os envolvidos ficaram impunes.

Precisamos trabalhar mais a prevenção das doenças e seguir o conceito da Organização Mundial de Saúde (OMS), em que a “Saúde é o Completo Bem-Estar Físico, Mental e Social”, e Não Apenas a Ausência de Doenças.

*José Ribamar Costa, médico ginecologista, presidente do Sindmed-AC e presidente da Federação dos Médicos da Amazônia.