Notícias

Sindmed-AC vai a Feijó dar apoio a médica que denunciou médico que atuava sem CRM

A diretoria do Sindicato dos Médicos do Acre (Sindmed-AC) foi a Feijó ouvir a médica Sirlândia Brito que vem sendo assediada moralmente por algumas pessoas da direção do Hospital Geral de Feijó e por alguns políticos por ter denunciado à polícia falso médico. Ela vem sendo alvo de ataques nas redes sociais em atos que chegam ao cúmulo de expor prontuários de pacientes e até a criação de uma petição que busca retirá-la da unidade de saúde, deixando a população sem profissional suficiente para o atendimento de pacientes.
O boletim de ocorrência e demais provas foram coletadas para que a banca de advogados da entidade possa encaminhar a abertura de processos contra os responsáveis, além de pedir a abertura de sindicância dos gestores que abusam do poder. O Ministério Público Estadual (MPE) foi notificado e já está atuando no caso.
“É inadmissível que uma profissional sofra represália dos superiores por ser contra irregularidades e evitar que pacientes possam sofrer sequelas causadas pela atuação de uma pessoa não habilitada e que não faz parte do corpo médico do hospital”, protestou o presidente do Sindmed-AC, Murilo Batista.
Sirlândia Brito chamou a polícia no dia 13 de julho para prender o não-médico que acabou sendo encaminhado para a delegacia de Polícia Civil, onde um inquérito foi aberto para apurar a acusação de exercício ilegal da profissão. O caso foi encaminhado também para o Conselho Regional de Medicina (CRM) para que haja a responsabilização dos profissionais que colaboraram para facilitar a atuação desse falso médico naquela unidade de saúde.
Para a médica, indícios apontam para a possível exploração política de cirurgias realizadas com o apoio do não-médico.
“O Sindmed-AC continua com a apuração para que os culpados possam ser responsabilizados. Estamos acompanhando de perto para identificar todos os envolvidos”, finalizou o presidente do Sindicato.